Brazilians Colonise Mozambique

By on 08/25/2011 in Uncategorized

You don’t have to be from the Global North to be in the colonialism business . Here’s a swiftly and poorly cleaned up google translation of a report published on 23rd August 2011 in the Mozambican newspaper, O Pais (original here).

Brazilian neo-colonialism in Mozambique

The structure of land ownership and land acquisitions by foreign corporations in African countries was the subject of study of the United Nations.

The Mozambique government is giving the use of 6 million hectares – equivalent to two thirds of Portugal – to Brazilian farmers to plant soy, cotton and corn in the north – in the provinces of Niassa, Cabo Delgado, Nampula and Central Zambezi. The idea is to transplant the experience gained in the Brazilian cerrado, where, from the 1960s, the agricultural frontier advanced into the interior, with extensive cattle estates and soy. The report is published by Raphael and Adelson Mozambican newspaper O Pais (The Nation), 08/23/2011.

In Brazil, the cost of farming the savannah, which is recognized as the richest in biodiversity in the world, has been an 80% devastation of the savannah. The degradation of this biome, which occupies a quarter of Brazil, has been the burial and pollution of the country’s major river basins, which are located precisely in this region and which are considered Brazil’s reservoir.

The Mozambican government have offered Brazilian agricultural pioneers the prospect of crossing the Atlantic Ocean towards the African savannah. For geographer Eli Penha Alves, author of “Brazil-Africa Relations and Geopolitics of the Atlantic”, the “ecological and cultural similarities” offer an “ecological fit” between Brazil and the continent.

In an interview with Editor of the Federal University of Bahia, Penha says, among other things, an affirmation of Kenya’s agricultural expert, Calestous Juma, that “for every African problem there is a Brazilian solution.” “I would say that the converse is also true,” adds Penha.

Brazilian agribusiness, whose success is premised on the depletion of natural resources, now sees the unsustainable export of genetically modified seeds, degrading soil management and estates exploited at the expense of a bankrupt model of agrarian reform. In 2006, the site Reporter Brazil already pointed the way for a new agricultural frontier in Brazil: the rapid soil degradation is an example (of irreversible losses to the region). According report of Conservation International, the traditional planting of soybeans, as is done in the Cerrado, causes loss of about 25 tons of soil per hectare per year. If applied conservation techniques, such as minimum tillage, the number could be reduced to 3 tons per year.

For Rosane Bastos (biologist member of the Cerrado Network), the unproductive practices can speed the destruction of other ecosystems, “if the major producers run out of land, they will head to the Amazon,” he warns.

This is not the first time that the government of Mozambique has offered inducements to increase agricultural productivity, as reported on the “Global Voices” in the months of January and July 2010. On occasion, the site Reporter Brazil has announced worries voiced by traditional communities of Mozambique: a requirement of the government of Mozambique for granting the use of land is that 90% of national workforce in the plantations. At least half the area supplied to the Brazilian government involves farmers living on small farms.

Mozambique is one of the 49 most impoverished countries in the world, with 70% of the population below the poverty line, and where farmers have great difficulty in accessing credit for food production.

The structure of land ownership and land acquisitions by foreign corporations in African countries was the subject of study of the United Nations, according to a report by the Green Foundation.

The document argues that … foreign investment can be beneficial, raising levels of technology, increasing agricultural productivity and job creation and infrastructure. But at the moment these land purchases are being carried out with… lack of transparency in contracts and without ensuring the commitments of investment, employment and development of infrastructure, which may endanger the livelihood of thousands of small farmers or herders, whose existence depends on the land.

Brazilian neo-colonialism in Mozambique is unlikely to contribute to the development of a socially just country. If, on the one hand, Brazil can offer technical expertise to grow seeds in the African savannah, it is also able to offer an unsustainable model of agribusiness, based on monoculture, environmental degradation and land concentration in few hands .

The Mozambique government is offering large tracts of cheap land to Brazilian farmers to plant soybeans, corn and cotton, an official source from the African country cited by the newspaper “Folha de S. Paulo”.

“Brazilian farmers have accumulated experience that is very welcome. We want to repeat what they did for 30 years in the Cerrado in Mozambique , ” Mozambican Agriculture Minister, Jose Pacheco, told the Sao Paulo newspaper.

Mozambique has made available to Brazil’s 6 million hectares in four provinces of the country to operate them under concession for 50 years, on payment of tax of R $ 21 a year per hectare, detailed Pacheco.

The land, whose size the paper compares the “three states of Sergipe” and claims to be “the new agricultural frontier in Brazil,” are located in the provinces of Niassa, Cabo Delgado, Nampula (north) and Zambezia (center) and are intended for the production of soybeans, corn and cotton.

In return for a concession of 50 years, renewable for an equal period of time, farmers pay an annual tax of about 9.00 euros per hectare and should benefit from tax exemptions on the import of agricultural machinery.

The condition imposed by the Mozambican government to offer cheap land is that 90% of the labour hired has to be domestic.

Mozambique will also provide other facilities to the Brazilians, such as tax exemption for the import of agricultural machinery and equipment.

The president of the Mato Grosso Association of Cotton Producers, Carlos Ernesto Augustin, explained the “Sheet” that the land in Mozambique are very similar to the interior of Brazil, with the advantage of price and ease of obtaining environmental permits.

“Mozambique is a Mato Grosso in the middle of Africa, with land for free, without many environmental constraints, with the (cost) of shipping to China much cheaper (…) Today, besides being expensive land in Mato Grosso, is impossible to obtain a license for clearing and cleaning the area, “Augustin said the newspaper.

China is the world’s largest customer of soybeans from Brazil and a major buyer of agricultural products from the South American country.

According to the “Sheet”, the first batch of 40 Brazilian farmers will travel to Mozambique to deploy in September in the lands of the provinces of Niassa, Cabo Delgado, Nampula and Zambezia.

Mozambique Mission

Professionals and Embrapa Solos Embrapa Satellite Monitoring (Campinas-SP) were in Mozambique between days 04 and 19 June. The trip was aimed at the selection and georeferencing of a pilot area of ​​about 750 km2, representing the environmental conditions of the Nacala Corridor. This area, which will be characterized in terms of soil (1:100,000), climate and socio-economics, will serve as a center radiator and receiver technologies under the Project Support Platform for Agricultural Innovation in Mozambique.

The field work focused on the region between Nampula, home of the homonymous province, and Lichinga, capital of Niassa province, especially in the territory of the districts of Ribaue, Malema, Cuamba and Mandimba. This region was chosen based on the analysis of information obtained from the National Soil Charter of the African country, scale 1:1,000,000 (1974), and prior knowledge of the region, obtained in travel in the preparation of the project.

The team’s strategy was to conduct visits to headquarters of the four administrative districts, where they contacted the district directors of agriculture, intended for exhibition of the work and search for information on land occupation, conditions of infrastructure and organization of rural communities, cultures, and preferred management practices adopted. It was a very useful indication of the previously recognized, according to the perceptions of local experts as having the greatest potential for implementation of agricultural development projects, or considered a priority by government agencies or with higher socio-economic needs. With the lifting of this information, we tried to incorporate in the process of selecting a pilot area of ​​knowledge about local realities and the expectations and needs identified by the planners of economic activities, as an important support for the implementation of new technologies and lines agricultural research.

From the information gathered, have been directed to recognize the work field, so evaluate the potential of local priority, while it attempts to make a comprehensive assessment of the availability of natural resources for agriculture in the region, to establish the boundaries of the pilot. It was also a criterion for the selection of the pilot area the potential for both business and family farming. We evaluated the feasibility conditions of access and inclusion of communities in the development and introduction of new agricultural technologies.

Between 7:15 June, excursions were carried out in the districts of Ribaue, Malema (Nampula), Cuamba, and still Mandimba Ngauma and Lichinga (Niassa Province), with observation and recording of various aspects of the physical (relief , vegetation and soils mainly). In the course of the studies were carried out 45 observations of soil, properly georeferenced, over a displacement of approximately 2 200 km.

In addition to the fieldwork, there were several technical visits, as the Institute of Agricultural Research of Mozambique (IIAM) in Maputo, where in addition to meetings with the local team was a meeting with the Director-General of that institution, Calisto Bias, the Northeast Zonal Center IIAM in the city of Nampula, and the Northwest Zonal Center in Lichinga, when a meeting was held with the director Carolino Martin, along with researchers that the research center, and also the experimental station Mutuali in Malema. We also visited the headquarters of the government of Nampula and Niassa provinces, where the team was received by provincial directors of agriculture, Pedro Mauricio Tumuitikile Dzucula and Eusebius.

Participated in the mission by Embrapa Soils researchers: Amaury de Carvalho Filho, Francisco José Lumbreras and Paulo Emílio Ferreira da Motta; by NMA researcher Sergio Gomes Tosto, and the Institute of Agricultural Research of Mozambique (IIAM) researchers Moses F . Vilanculos and Jacinto M. Mafalacusser.

The authors note the support of Levi and José Barros Moura Leite Luiz Bellini, representatives of Embrapa in Mozambique.

———–

Neocolonialismo Brasileiro em Moçambique

A estrutura fundiária e as aquisições de terras por corporações estrangeiras em países africanos foi alvo de estudo da Organização das Nações Unidas.

O governo de Moçambique está cedendo o uso de 6 milhões de hectares – o que corresponde a dois terços de Portugal – para fazendeiros brasileiros plantarem soja, algodão e milho no norte do país – nas províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula e Zambézia, centro. A ideia é aproveitar a experiência brasileira no cerrado, onde, a partir da década de 1960, a fronteira agrícola avançou rumo ao interior, com a pecuária extensiva e latifúndios de soja.

A reportagem é de Adelson Rafael e publicada pelo jornal moçambicano O País, 23-08-2011.

No Brasil, essa interiorização da atividade agropecuária custou a devastação de 80% do cerrado, que é reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade. A degradação deste bioma, que ocupa um quarto do território brasileiro, vem soterrando e poluindo as principais bacias hidrográficas do país, localizadas justamente nessa região – que é considerada a caixa d’água do Brasil.

Com a oferta do governo moçambicano, a fronteira agrícola brasileira tem a perspectiva de atravessar o oceano Atlântico rumo à savana africana. Para o geógrafo Eli Alves Penha, autor do livro “Relações Brasil-África e Geopolítica do Atlântico”, as “similaridades ecológicas e culturais” levam a um “encaixe ecológico” entre Brasil e o continente.

Em entrevista para a Editora da Universidade Federal da Bahia, Penha comenta, entre outros assuntos, a afirmação do especialista em agricultura do Quénia, Calistou Juma, que “para cada problema africano existe uma solução brasileira. “Eu diria que a recíproca também é verdadeira”, completa Penha.

O agronegócio brasileiro, baseado no esgotamento dos recursos naturais, agora vislumbra exportar o modelo insustentável de sementes geneticamente modificadas, manejo degradante do solo e latifúndios explorados às custas de um modelo falido de reforma agrária. Ainda em 2006, o site Repórter Brasil já apontava um novo caminho para a fronteira agrícola brasileira: a rápida degradação do solo é um exemplo (de perdas irreversíveis à região). De acordo relatório da Conservação Internacional, o plantio tradicional da soja, como é feito no Cerrado, causa a perda de cerca de 25 toneladas de solo por hectare ao ano. Caso fossem aplicadas técnicas de conservação, como a aragem mínima, o número poderia ser reduzido a 3 toneladas por ano.

Para Rosane Bastos (bióloga integrante da Rede Cerrado), a improdutividade pode impulsionar a destruição de outros ecossistemas: “se os grandes produtores ficarem sem solo, vão subir para a Amazónia”, prevê.

Não é de hoje que o governo do Moçambique espreita acordos para aumentar a produtividade agrícola, como reportou o “Global Voices” nos meses de janeiro e julho de 2010. Na ocasião, o site Repórter Brasil já anunciava a preocupação com as comunidades tradicionais de Moçambique: um dos requisitos do governo de Moçambique para a concessão das terras é o emprego de 90% de mão-de-obra nacional nas lavouras. Em pelo menos metade da área ofertada pelo governo aos brasileiros vivem camponeses em pequenas propriedades.

Moçambique é um dos 49 países mais empobrecidos do mundo, com 70% da população abaixo da linha da pobreza, e onde os agricultores têm grande dificuldade em aceder a crédito para a produção de comida.

A estrutura fundiária e as aquisições de terras por corporações estrangeiras em países africanos foi alvo de estudo da Organização das Nações Unidas, de acordo com texto da Fundação Verde.

O documento pontualiza que as aquisições (de modo geral feitas na África mediante contratos de aluguer de meio século ou um século inteiro pelo que nada se paga) podem constituir um benefício ao supor investimentos estrangeiros. Também pode acarrear atracção tecnológica, incremento da produtividade agrária e criação de emprego e de infra-estrutura. Mas, assim como estão sendo levados a cabo, com precárias consultas à população local, falta de transparência e sem garantir nos contratos os compromissos de investimento, emprego ou desenvolvimento de infra-estruturas, supõe colocar em risco o modo de vida de milhares de pequenos agricultores ou pastores, cuja existência depende da terra.

O neocolonialismo brasileiro em Moçambique certamente não contribuirá com o desenvolvimento socialmente justo deste país. Se, por um lado, o Brasil pode oferecer conhecimento técnico para o cultivo de sementes na savana africana, por outro o país tem a oferecer um modelo insustentável de agronegócio, baseado na monocultura, na degradação ambiental e na concentração de terras nas mãos de poucos.

O governo de Moçambique está oferecendo grandes extensões de terras baratas a agricultores brasileiros para o plantio de soja, milho e algodão, informou uma fonte oficial do país africano citada pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

“Os agricultores brasileiros têm experiência acumulada que é muito bem-vinda. Queremos repetir em Moçambique o que fizeram no cerrado há 30 anos”, disse o ministro da Agricultura moçambicano, José Pacheco, em declarações ao jornal paulista.

Moçambique colocou à disposição do Brasil 6 milhões de hectares em quatro províncias do país, para explorá-las em regime de concessão por 50 anos, mediante o pagamento de imposto de R$ 21 ao ano por hectare, detalhou Pacheco.

As terras, cuja dimensão o jornal compara a “três estados do Sergipe” e afirma ser “a nova fronteira agrícola do Brasil”, situam-se nas províncias do Niassa, Cabo Delgado, Nampula (no norte) e da Zambézia (no centro) e destinam-se à produção de soja, milho e algodão.

Como contrapartida para uma concessão de 50 anos, renovável por igual período de tempo, os agricultores pagarão um imposto anual de cerca de 9,00 euros por hectare e deverão beneficiar de isenções de taxas na importação de maquinaria agrícola.

A condição imposta pelo governo moçambicano para oferecer as terras baratas é que seja contratada no país africano ao menos 90% da mão-de-obra.

Moçambique também vai dar outras facilidades aos brasileiros, como isenção de impostos para a importação de máquinas e equipamentos agrícolas.

O presidente da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão, Carlos Ernesto Augustin, explicou à “Folha” que as terras moçambicanas são muito semelhantes às do interior do Brasil, com a vantagem do preço e da facilidade de obter licenças ambientais.

“Moçambique é um Mato Grosso no meio da África, com terras de graça, sem tantos impedimentos ambientais, com o (custo) do frete à China muito mais barato (…) Hoje, além de terra estar caríssima no Mato Grosso, é impossível obter licença de desmatamento e limpeza de área”, declarou Augustin ao jornal.

A China é o principal cliente mundial da soja procedente do Brasil e um importante comprador de outros produtos agrícolas do país sul-americano.

Segundo a “Folha”, a primeira leva de 40 fazendeiros brasileiros vai viajar em setembro a Moçambique para implantar em terras das províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula e Zambézia.

Missão Moçambique

Profissionais da Embrapa Solos e Embrapa Monitoramento por Satélite (Campinas-SP) estiveram em Moçambique entre os dias 04 e 19 de junho. A viagem teve como objectivo a escolha e georeferenciação de uma área piloto com cerca de 750 km2, representativa das condições ambientais do Corredor de Nacala. Essa área, que será caracterizada em termos de solo (escala 1:100.000), clima e socioeconomia, servirá como pólo receptor e irradiador de tecnologias no âmbito do Projeto de Suporte Técnico à Plataforma de Inovação Agropecuária de Moçambique.

Os trabalhos de campo concentraram-se na região situada entre Nampula, sede da província homónima, e Lichinga, capital da província de Niassa, em especial no território dos distritos de Ribáuè, Malema, Cuamba e Mandimba. Essa região foi escolhida a partir da análise das informações obtidas na Carta Nacional de Solos do país africano, em escala 1:1.000.000 (1974), e no conhecimento prévio da região, obtido nas viagens realizadas na fase de elaboração do projeto.

A estratégia da equipa foi realizar visitas às sedes administrativas dos quatro distritos, onde foram contactados os directores distritais de agricultura, para exposição do trabalho pretendido e busca de informações sobre ocupação agrária, condições de infra-estruturas e organização das comunidades rurais, culturas preferenciais e práticas de manejo adoptadas. Foi muito útil a indicação de locais já reconhecidos, segundo a percepção de técnicos locais, como detentores de maior potencial para implantação de projectos de desenvolvimento agrícola, ou considerados prioritários pelos órgãos do governo ou ainda com maiores carências socioeconómicas. Com o levantamento dessas informações, buscou-se incorporar no processo de selecção da área piloto o conhecimento sobre a realidade local, bem como as expectativas e necessidades identificadas pelos responsáveis pelo planeamento das actividades económicas, como um importante respaldo à implementação de novas tecnologias e linhas de pesquisa agrícola.

A partir das informações levantadas, foram direccionados os trabalhos de reconhecimento de campo, de forma a
avaliar o potencial dos locais considerados prioritários, ao mesmo tempo em que se buscou realizar uma avaliação abrangente da disponibilidade dos recursos naturais para fins agrícolas da região, visando estabelecer os limites da área piloto. Também foi critério para a selecção da área piloto o potencial tanto para agricultura empresarial quanto familiar. Foram avaliadas as condições de acesso e viabilidade da inserção das comunidades no processo de desenvolvimento e introdução de novas tecnologias agrícolas.

Entre os dias 07 e 15 de junho, foram realizadas incursões pelos distritos de Ribáuè, Malema (província de Nampula), Cuamba, Mandimba e ainda Ngauma e Lichinga (província de Niassa), com observação e registo dos diversos aspectos do meio físico (relevo, vegetação e principalmente solos). No decorrer dos trabalhos, foram realizadas 45 observações de solos, devidamente georeferenciadas, ao longo de um deslocamento de aproximadamente 2 200 km.

Além dos trabalhos de campo, aconteceram várias visitas técnicas, como ao Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM) em Maputo, onde além de reuniões de trabalho com a equipa local ocorreu um encontro com o director-geral daquela instituição, Calisto Bias; ao Centro Zonal Nordeste do IIAM, na cidade de Nampula, e ao Centro Zonal Noroeste, em Lichinga, quando foi realizada reunião com o diretor Carolino Martinho, juntamente com pesquisadores daquele centro de pesquisa, e ainda à estação experimental de Mutuali, em Malema. Foram também visitadas as sedes do governo das províncias de Nampula e Niassa, onde a equipa foi recebida pelos directores provinciais de agricultura, Pedro Dzucula e Eusébio Maurício Tumuitikile.

Participaram da missão pela Embrapa Solos os pesquisadores: Amaury de Carvalho Filho, José Francisco Lumbreras e Paulo Emílio Ferreira da Motta; pela Embrapa Monitoramento por Satélite o pesquisador Sérgio Gomes Tôsto, e pelo Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM) os pesquisadores Moisés F. Vilanculos e Jacinto M. Mafalacusser.

Vale destacar o apoio de Levi Moura Barros e José Luiz Bellini Leite, representantes da Embrapa em Moçambique.